A ressignificação artística de materiais mundanos
Marina Rodrigues transcende o uso rotineiro de chapas de ferro. Recortes de aço, acrílico e fita adesiva, em obras que emulam diagramas eletrônicos fictícios e mapas de um urbanismo fantástico, abstraem a função original do material com rigor e equilíbrio plástico. Com exceção de seus trabalhos escultóricos, as sugestões de plantas baixas, assim como a de multiversos e a de sólidos arquitetônicos, desmontam a impressão de superfície plana e propõem formas com presença tridimensional
Por Christiane Laclau, curadora da exposição Geométricas na Galeria Lurixs, Rio de Janeiro

Black Horizontal, Série Identidade Paralela, 2017, aço corten e fita adesiva sobre chapa de ferro, 87cm x 75 cm

Avenida Principal e Silhueta Paralela, 92x60cm (1).jpg

Avenida Principal, Série Identidade Paralela, 2021, fita adesiva sobre chapa de ferro, 92cm x 60cm.

Silhueta, Série Identidade Paralela, 2021, tinta fosfatizante e fita adesiva sobre chapa de ferro, 92cm x 60cm.

14K, Série Identidade Paralela, 2017, fita adesiva sobre chapa de ferro, 118cm x 56cm.

Contornos, Série Identidade Paralela, 2022, fita adesiva e tinta fosfatizante sobre chapa de ferro, 61cm x 92cm.